Educação

Óculos 'falantes' são desenvolvidos para estudantes cegos

Dispositivo criado em Israel pesa apenas 22 gramas e é do tamanho de um dedo

Jucielle Leal

Há 12 dias


O dispositivo é capaz de ler textos de livros e transformá-los em áudio, ou seja, falar o que está escrito (Foto: Reprodução/SNB)
O dispositivo é capaz de ler textos de livros e transformá-los em áudio, ou seja, falar o que está escrito (Foto: Reprodução/SNB)

Tecnologia - Pessoas com deficiência visual agora podem contar com uma tecnologia que os auxiliarão em leituras. São os óculos “falantes” desenvolvidos em Israel para estudantes cegos e que, inclusive, já chegaram ao Brasil.

O dispositivo chamado “Orcam MyEye” pesa apenas 22 gramas e é do tamanho de um dedo. Tão simples e pequeno, que pode ser conectado a qualquer tipo de armação de óculos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Ele é capaz de ler textos de livros e transformá-los em áudio, ou seja, falar o que está escrito. E mais: ele faz tudo isso sem precisar estar conectado à internet.

Foto: @orcamlatin

Como funciona

A inteligência artificial Orcam MyEye foi criada em 2015 e faz tudo de forma muito prática. Basta apontar o dedo onde quer que a leitura seja feita para que comece a falar o que está escrito.

O sensor óptico captura a imagem e através da inteligência artificial converte as informações instantaneamente em áudio por meio de um pequeno alto-falante localizado acima do ouvido.

A estudante Kayenne Alves, de 16 anos, moradora de Cuiabá, no Mato Grosso, tem deficiência visual. Ela usou o Orcam MyEye e adorou. “Para mim, ter uma tecnologia que permite ler diferentes livros por transformar as palavras em áudio me trouxe mais confiança, segurança e independência”, afirmou

Kayenne tem deficiência visual desde que nasceu. Ela é aluna do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) e recebeu os óculos da própria instituição.

Além da Kayenne, outros estudantes cegos ou com baixa visão receberam esse tipo de tecnologia em escolas estaduais, municipais e universidades privadas ou públicas entre o ano passado e este ano, como nos estados de Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Amazonas.

No Brasil

No Brasil, o dispositivo chegou em abril pela empresa Mais Autonomia, que é do ramo de tecnologia assistiva.

Segundo o diretor Doron Sadka, ele conheceu os óculos especiais quando viajou para Israel e decidiu importá-lo com o sistema adaptado em três idiomas: português, inglês e espanhol. Mas por ser importada e de alto custo (cerca de R$ 14 mil cada), a tecnologia ainda não é acessível para todos com deficiência visual no Brasil.

Com informações de “Só Notícia Boa”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MAIS LIDAS

PUBLICIDADE