Notícias

Extinção

Após 20 anos de extinção, nascem filhotes de ararinhas-azuis na Bahia

A ave estava extinta do país desde os anos 2000

Pâmela Lima

19/07/2021 16h00


Os filhotes são de um casal repatriado da Alemanha (Foto: ICMBio/Divulgação)
Os filhotes são de um casal repatriado da Alemanha (Foto: ICMBio/Divulgação)

Pela primeira vez em 20 anos, nasceram três filhotes de ararinha-azul na caatinga baiana. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a ave é considerada extinta desde outubro de 2000. Atualmente, existem 160 araras criadas em cativeiros particulares.

O nascimento dos filhotes foi possível graças à repatriação de araras-azuis que estavam na Alemanha. O primeiro filhote nasceu no dia 13 de abril, o segundo, no dia 6 de junho e o terceiro, em 9 de junho. Os filhotes deverão ser soltos em breve no interior do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul, em Curaçá (BA).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A iniciativa faz parte de um programa de reprodução entre Brasil e parceiros internacionais. Das 52 aves que retornaram ao país, 14 são casais mantidos em um espaço para reprodução. “O acordo foi estabelecido entre ICMBio e ACTP em 2019 para construção de um centro de reprodução no interior do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul, unidade de conservação federal criada em 2018 para abranger a população a ser reintroduzida”, explicou Lugarini.

Entre 2019 e 2020, nasceram 18 exemplares no criadouro Fazenda Cachoeira, em Minas Gerais. “Mas este é o primeiro nascimento na sua área de ocorrência histórica, [na Bahia]. Os animais em cativeiro estão na Alemanha, Bélgica e Singapura. No Brasil, existem dois criadouros: um em Minas Gerais e outro na área de distribuição original, que é o norte da Bahia”, afirmou.

PUBLICIDADE
Curtir
Tags

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MAIS LIDAS

PUBLICIDADE